PORTUGAL E O FIM DO COLONIALISMO. DIMENSÕES INTERNACIONAIS, de Miguel Bandeira Jerónimo e António Costa Pinto (Orgs.)

Portugal e o Fim do Colonialismo. Dimensões Internacionais é um livro que propõe uma abordagem histórica e multifacetada dos factores e processos internacionais que condicionaram o colonialismo português nas suas últimas décadas de existência. Identificando e analisando algumas das suas principais manifestações, não tendo obviamente uma preocupação de exaustividade, este livro explora as relações entre estes factores e processos e determinados eventos e dinâmicas das histórias metropolitana e colonial.


MANOEL DE OLIVEIRA. ANÁLISE ESTÉTICA DE UMA MATRIZ CINEMATOGRÁFICA, de Nelson Araújo (Org.)

Um olhar sobre o percurso fílmico de Manoel de Oliveira, através da decomposição das suas imagens num estilo, contando o autor com a colaboração de vários especialistas na análise de algumas das suas obras mais emblemáticas, viabilizando-se a articulação entre a esfera plástica e simbólica no cinema do realizador português.


Este livro é o nº 102 da Col. Arte & Comunicação.

 

OBRAS ESCOLHIDAS DE JÜRGEN HABERMAS, Vol. III - ÉTICA DO DISCURSO

Os primeiros cinco textos desenvolvem e defendem uma teoria discursiva da moral que separa questões de justiça de questões do projecto de vida pessoal. Esta centra-se na explicação das pretensões de validade morais de recorte preciso. Por isso, o nome da "ética discursiva" que se tornou corriqueiro não é inteiramente correcto.


CARTA SOBRE A TOLERÂNCIA, de John Locke

Nesta obra, como em todas as outras, Locke anuncia e prepara o grande movimento do Iluminismo, que culminará com Voltaire. Locke distingue primeiramente as três ordens da força, da razão e da fé. Em seguida, afirma que todos os homens pertencem a duas sociedades: a civil e a religiosa. O problema da intolerância resulta da confusão entre estes dois domínios: a sua confusão é prejudicial quer à saúde do corpo social como à busca da saúde individual. Cabe à força política impedir que interfiram, sem se preocupar com a saúde das almas nem da fé, sobre as quais o governo não tem qualquer direito.

O CINEMA PORTUGUÊS ATRAVÉS DOS SEUS FILMES, Org. de Carolin Overhoff Ferreira

Uma visão do cinema português, ainda que fragmentada pela análise de 26 filmes por 19 investigadores, numa abordagem diversificada que visa resumir de forma sucinta o panorama que o conjunto dos filmes seleccionados apresenta. Uma introdução crítica ao cinema português, de utilidade para investigadores do cinema e da cultura portuguesa e cinéfilos e interessados no cinema em geral.


Este livro é o n.º 101 da Coleção Arte & Comunicação.

 

AS PALAVRAS E AS COISAS, de Michel Foucault

As ciências humanas são mais do que um saber: são uma prática, são instituições. Ao analisar a génese e a filosofia das ciências, Michel Foucault mostra como é recente o aparecimento do «homem» na história do saber.


A LEI DOS POVOS e A IDEIA DE RAZÃO PÚBLICA REVISITADA, de John Rawls

Este livro compõe-se de duas partes: o ensaio «A Ideia de Razão Pública Revisitada», inicialmente publicado em 1997, e «A Lei dos Povos», a reformulação substancial de um artigo bastante mais curto, publicado em 1993 com o mesmo nome.

CIDADE E IMPÉRIO. DINÂMICAS COLONIAIS E RECONFIGURAÇÕES PÓS-COLONIAIS, Org. por Nuno Domingos e Elsa Peralta - Recensão de Beja Santos no Site Vidas Alternativas e no Diário de Aveiro

Leia aqui a recensão que Mário Beja Santos escreveu sobre este livro, e que foi publicada no site Vidas Alternativas em 19 de março de 2014, e também no Diário de Aveiro do dia 23 de março de 2014.

 

 

 

PENSAMENTO CRÍTICO CONTEMPORÂNEO, de vários autores

Este livro começou a ganhar forma em 2008. No quadro de um projecto colectivo de que a Unipop vem a ser o actual nome associativo - e que é o resultado de inúmeras alianças, cumplicidades e desavenças políticas, científicas e intelectuais -, começámos a organizar uma série de seminários de leitura e debate sobre as obras de alguns pensadores cujo conhecimento quisemos problematizar colectivamente.

A IGREJA CATÓLICA E O ESTADO NOVO SALAZARISTA, de Duncan Simpson

Este livro procura analisar de forma interpretativa as relações entre o Estado Novo e a Igreja Católica durante o regime de Salazar, entre 1928 e 1968, respondendo a duas perguntas fundamentais: como melhor definir, em termos genéricos, a relação entre a Igreja Católica e o Estado Novo salazarista? Como evoluiu com o tempo?


Syndicate content